In Memoriam – Milos Foreman, na Cinemateca Portuguesa

In Memoriam – Milos Foreman, na Cinemateca Portuguesa

Ciclo de Cinema, na Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, Lisboa, de 3 a 28 de Setembro.

Milos Forman é um dos três realizadores, três vultos do panorama cinematográfico internacional, desaparecidos durante os últimos meses a quem a Cinemateca presta homenagem em setembro com um conjunto de sessões onde apresentamos cinco dos seus filmes: dois títulos do período checo e três da fase inicial do seu período americano, nos anos setenta.

Milos Forman (1932-2018) cravou o seu nome na história do cinema checo e do cinema americano. Fez, com Ivan Passer, Vera Chytilova e outros, parte da geração que, nos anos sessenta, na senda dos “cinemas novos” e das “novas vagas” que explodiram um pouco por todo o mundo, revitalizou o cinema checo. Os seus filmes desse período, colhidos no quotidiano e nalguns casos com uma tonalidade quase documental, observavam com fino humor, e em crítica “oblíqua” (pois que a crítica “vertical” dificilmente ultrapassaria a censura), as contradições e as frustrações da sociedade checoslovaca. Em 1967 foi longe demais – HORI, MA PANENKO (“O BAILE DOS BOMBEIROS”) foi proibido, o que o levou a pensar em emigrar; decisão facilitada pela invasão soviética de 1968, que o apanhou em Paris. Forman já não regressou ao país natal, e fixou-se nos EUA, onde o esperava uma consagração mundial que chegou relativamente depressa, com o monumental sucesso de ONE FLEW OVER THE CUCKOO’S NEST, em 1975. Depois vieram, entre outros, AMADEUS, e os filmes do final dos anos noventa (THE PEOPLE VS LARRY FLYNT, MAN ON THE MOON), ácidas observações da “sociedade do espetáculo” americana. Recordamo-lo com títulos pouco vistos: dois filmes do período checo, e três filmes da fase inicial do seu período americano, nos anos setenta.

PROGRAMA COMPLETO

Sala Luís de Pina | Seg. [3] 18:30
Sala M. Félix Ribeiro | Seg. [10] 15:30
KONKURS
“O Concurso”
de Milos Forman
com Jiri Suchy, Jiri Slitr, Vera Kresadlová
Checoslováquia, 1963 – 84 min / legendado eletronicamente em português | M/12
A primeira longa-metragem de Milos Forman divide-se em duas partes. Na primeira, vemos um concurso de bandas de música numa cidade de província, em que os membros de um conjunto acabam por passar para o outro. Na segunda, um teatro de Praga organiza um concurso para jovens cantoras. Filmadas separadamente, as duas partes foram depois reunidas num só filme. Forman transformou dois registos documentais numa outra coisa, misturando-os com elementos de ficção. O crítico Josef Skvorecky considera a segunda parte “uma das sequências mais fantásticas do cinema checo”.

Sala Luís de Pina| Qua. [5] 18:30
Sala M. Félix Ribeiro | Sex. [28] 15:30
LASKY JEDNE PLAVOVLASKY
Os Amores de uma Loira
de Milos Forman
com Hanna Brejchova, Vladimir Pucholt, Vladimir Mensik, Ivan Kheil
Checoslováquia, 1965 – 78 min / legendado em português | M/14
O cinema checo dos anos sessenta é da mais alta qualidade, com nomes como Menzel, Chytilova, Passer e Milos Forman. OS AMORES DE UMA LOIRA, segunda longa-metragem de Forman, foi o filme que o impôs definitivamente, no seu país e junto à crítica internacional. Ousado para a Checoslováquia da época no que se refere à expressão sexual, o filme é típico do cinema checo do período, com grande apuro formal e uma narrativa oblíqua, em que o realismo se mistura com as metáforas. Um dos grandes filmes de autor europeus dos anos sessenta.

Sala M. Félix Ribeiro | Qui. [6] 15:30
ONE FLEW OVER THE CUCKOO’S NEST
Voando Sobre Um Ninho de Cucos
de Milos Forman
com Jack Nicholson, Louise Fletcher, Brad Dourif, William Redfield
Estados Unidos, 1975 – 130 min / legendado em português | M/16
O segundo filme americano de Milos Forman foi um enorme êxito comercial e conquistou todos os Óscares principais (filme, realização, argumento e intérpretes principais), proeza que não se conseguia há 31 anos, desde IT HAPPENED ONE NIGHT. Adaptando um romance de Ken Kesey, o filme é a denúncia dos limites da psiquiatria convencional no tratamento das “doenças” do seu foro, que mais não são do que revoltas contra uma sociedade em que se perdeu o sentido do humano e o valor da liberdade.

Sala Luís de Pina | Sex. [7] 18:30
Sala M. Félix Ribeiro | Ter. [11] 15:30
TAKING OFF
Taking Off – os Amores de uma Adolescente
de Milos Forman
com Lynn Carlin, Buck Henry, Georgia Engel
Estados Unidos, 1971 – 93 min / legendado eletronicamente em português | M/14
Primeiro filme americano de Milos Forman, quatro anos depois do último filme checo (HORI MA PANENKO, que fora proibido), e três anos depois de ter chegado aos EUA, em exílio voluntário na sequência da invasão soviética que pôs termos à Primavera de Praga. Os grandes sucessos americanos de Forman (ONE FLEW OVER THE CUCKOO’S NEST, AMADEUS) ainda estavam por vir, mas o cineasta mergulhava já, a fundo, na cultura popular e no modo de vida do seu país adotivo: TAKING OFF foca o fim dos libérrimos anos sessenta, a partir da história de um casal dos subúrbios novaiorquinos que procura a filha adolescente desaparecida, circunstância narrativa que permite a Forman, como um “antropólogo cultural”, examinar as diferenças geracionais na sociedade americana.

Sala M. Félix Ribeiro | Ter. [11] 19:00
Sala M. Félix Ribeiro | Sex. [21] 15:30
HAIR
Hair
de Milos Forman
com John Savage, Treat Williams, Beverly D’Angelo
Estados Unidos, 1979 – 121 min / legendado eletronicamente em português | M/12
A cultura (e a “contracultura”) americanas foram um objeto recorrente da curiosidade de Milos Forman. Para o seu primeiro filme após a consagração proporcionada por ONE FLEW OVER THE CUCKOO’S NEST escolheu adaptar um musical da Broadway que no final dos anos sessenta entrara para a mitologia contestatária daquela década: HAIR, sobre um recruta destinado ao Vietname que é “desviado” por um grupo de “hippies” e toma conhecimento com as drogas e o rock and roll.